terça-feira, 20 de maio de 2014

Poesia - Desperato



Desperato

Vejo um lugar
Mórbido e fugaz
onde insetos sobrevoam
mórulas e zigotos
impedindo toda
fecundação e
renascimento.
E todas as etapas
desrespeitadas e carcomidas
por ferrugens de cadáveres
se arruínam e caem em
lagos incandescentes,
onde tórridas serpentes
em dança funesta
espreitam suas vítimas.
É uma festa fúnebre que se desenrola, completando
um ciclo de dores e torturas atrozes
violentando sorrisos
e arrombando olhares.
São somente bestas fétidas
e algozes
que nos devorarão.


Marie Jo em 24 de Outubro de 2000.

Nenhum comentário: