quinta-feira, 13 de março de 2014

POESIA - VAMPIRO



Nos elos de nossa refração
Remida de tua obsessão,
Em vermelho traduzo tua reação,
Retraída em gotas de canção.

E os pés tocam a água e nos embalam,
No vermelho de olhos que te abalam,
Fugindo de pálpebras que se fecharam.

E o calor da paixão agora subtraída,
Escravidão pela qual fui traída,
Em fuga de vermelho atraída.

Convergendo e escorrendo em taça de veneno,
Esclerose e inapetência de um corpo moreno,
Não mais imprópria que a sede de um romeno,
Por vermelhas divagações que contraem teu rosto ameno.

Marie Jo
Setembro de 2000

Nenhum comentário: