domingo, 23 de março de 2014

Poesia - Lamento da Druida




Aqui era minha
floresta encantada...

As copas das árvores se encontravam
quando ventava.

Á noite, se via uma cobertura aveludada
e ruidosa sob a brisa, que acariciava
o refúgio de tantas brincadeiras
e superstições.

Lugar onde surpreendiam
fantasmas, gnomos, ilusões.

Onde se podia observar
o por do sol
com o melhor amigo ao lado,
e as rezas e o silêncio
com o vento rodopiavam.

Mas agora só o que resta
é esse barro,
amarelo de sordidez
e destruição.
Onde os cantos dos pássaros
relembram as lágrimas 
pela infância,
e a mágoa pelas
lembranças
perdidas.


Marie Jo

24 de Outubro de 2000

Nenhum comentário: